Contatos

(31)99372-0277

 

getulioprates@gmail.com

Esperança Sempre - Carta aberta n.º 2 

Estou escrevendo de novo para quem quiser ler. Estamos vivendo uma vida loka num mundo louco. ÓBVIO. Tudo parece perdido, PARECE, mas é MENTIRA!! O mundo está acabando. PARECE mas é MENTIRA!! O mundo de hoje é pior do que o de  ontem. VC ESTAVA NA ÉPOCA DA PESTE NEGRA PARA SABER? Ou será que era fácil matar dinossauros na Idade da Pedra?

 

Pouco ou nunca se fala nas escolas de que qualquer pessoa da classe C tem muito mais conforto e luxo que qualquer nobre medieval ou do que Salomão, que foi o homem mais rico de toda história, que provavelmente o equivalente hoje a um trilionário. Muito se fala do Apocalipse, sobre as coisas terríveis que, irão acontecer, mas todo mundo esquece que será um processo muito rápido (de acordo com o próprio relato bíblico), seguido pela PERFEIÇÃO. Sim, o final do Apocalipse é PERFEIÇÂO: o livro mais temeroso da Bíblia Sagrada termina com final feliz, igual às piores (e melhores novelas) mexicanas ou então da nossa querida Redigrobo. O Apocalipse é mais parecido com um parto normal (obviamente doloroso) do que com a cara do Datena e seu mundo cão.

 

Por falar em estupidez sem precedentes e carniça televisiva, poderia citar vários exemplos, mas vou citar um filme, que na minha arrogante opinião é uma merda sem fim, que é o Armageddon: é um filme tão horroroso que nem o Bruce Willis e a Liv Tyler podem salvar. Tudo bem, todo mundo gosta, menos EU. Na verdade eu vi o que ninguém viu. Tudo bem, ligue a TV na Sessão da Tarde e passam filmes muito piores do que este. O problema deste filme tão bacana é sua mensagem escrota, que diz assim:

1-um meteoro vai cair na Terra, matar todo mundo,

2-Deus não tem piedade de nós, portanto:

3-confie a bomba nuclear ao Presidente dos Extadox Unidox (cadê a voz da Déborah Seco?) que ele irá nos salvar do Apocalipse iminente.

 

VÁ SE F(U)ODER MANO! Para a minha alegria ninguém leva isto muito a sério hoje em dia, mas eu me lembro deste filme causar pavores nas pessoas. É o maior barato ver as pessoas apavoradas com filmes de invasão alieníngena, mas aturar o lobby da indústria bélica é ultrajante para mim: eles brincam com os sentimentos das pessoas e elas nem percebem. Pois bem, o que se vê na indústria e mídia dos últimos 30 anos é justamente a exploração do MEDO, SANGUE, ANGÚSTIA e a exposição de todas as baixezas morais do ser humano. É verdade que é melhor assistir Armageddon do que ouvir um disco da Xuxa, pode ter certeza que eu prefiro muito mais o Armageddon, e falo isto sem me sentir contraditório.

 

Porém existem heróis todos os dias, em todas as partes do mundo existem atos de coragem, caridade, heroísmo, nobreza, existem lutas nobres (sem nenhum black bloc) onde pessoas iluminadas vão além de boas intenções e discursos vazios e PRATICAM o BEM e promovem a MUDANÇA em suas comunidades. Muito de vez em quando estes exemplos aparecem nos telejornais: deveriam ser muito mais amplamente divulgados. Ainda bem que a Internet dá voz e vez a muitos; porém o poder da TV aberta ainda é reinante: muitos acessam o Youtube ou mesmo blogs, sites interessantíssimos, de grande qualidade (posso citar o Catraca Livre? Tem outros, estou muito cansado para me lembrar, são quase 4 da manhã), porém a grande massa ainda se permite ser hipnotizada pelos canais de TV aberta que DEFFECAM sobre nossas cabeças em horário nobre (não poderiam passar um clipe meu?De ruim por ruim...).

 

Acontece que existe solução, tudo possui solução, e tudo que acontece no mundo acontece por um PROPÓSITO. O ser humano que não busca por sabedoria JAMAIS alcançará a felicidade, porque diante do sofrimento é necessário a COMPREENSÃO. Muitas das cagadas que o ser humano faz no decorrer da vida, com certeza são feitas por se duvidar da vida após a morte, que na verdade EXISTE. Já que todo mundo vai prestar contas a DEUS, não deveriam existir fofocas, pois todo mundo que julga o outro sempre acha que o outro tem que se ferrar, mas ele nunca vê a verdade por completo e as aparências enganam.

 

Tanto enganam que todos acretditamos (e votamos) nos políticos. Tudo bem, agora vem chumbo: até os políticos vão prestar contas a DEUS, para que se preocupar? Dê a César o que é de César. O político que não cheirou todas, que não parou na delegacia por agredir travestis, que não é cachaceiro, que não sacrificou sua ficha policial, sua vida, família e reputação para lutar pela democracia, ainda que a geração futura lhe tache de bandido, que não fez absolutamente nenhuma cagada em toda a sua vida privada, provavelmente NÂO VIVEU, ou então o lugar dele era no ALTAR.

 

Hoje o mundo é tão ridículo que as pessoas esperam que os  jogadores de futebol tenham o poder de retórica do de um acadêmico, é obvio que muitos deles são melhores calados, ainda que eles tenham razão (quando têm, não sabem se expressar). Um dia, quando formos pessoas melhores, mereceremos políticos melhores, porque estes SIM, de hoje nos representam, pois somos uma sociedade podre, desonesta, incoerente, hipócrita e impiedosa. Eu não acho que a minha mãe seria uma governante melhor do que boa parte dos governantes. É óbvio que existe a desonra na política, mas, por que você que critica tanto os políticos não se canditada e governa em seus lugares? Ou então por que não manda a sua mãe fazer melhor?

 

O Império Norte Americanono seu auge, com toda a sua pompa, estava abarrotado de moradores de rua, mendigos: o Raul Seixas na década de 70 comeu lixo em Nova Iorque: ELE NÂO ESTAVA SOZINHO. Stallone foi morador de rua, o Tom Cruise lixeiro, o Jim Carrey morava em uma Kombi, o John 5 conta que dormia e acordava com baratas enroladas no cabelo. Se um deles criticasse os EUA em pelo menos um terço do que nós criticamos o Brasil eles seriam tranquilamente linchados em público e todo americano se sentira bem com isso. E do que às vezes nós reclamamos? A corrupção antes era jogada para debaixo do tapete, antes e depois dos anos de chumbo da Ditadura Militar. Agora que ela convenientemente aparece, nós revoltamos. Na verade, pela primeira vez na vida ela está sendo combatida, e isso é motivo de alegria, pois significa progresso e mudança ainda que a passos de lesma.

 

E muito mais: O MUNDO está indo para o ralo e ninguém fala, o Brasil AINDA está bastante tolerável: não queira morar no Haiti, Iraque, Ucrânia, Venezuela, Israel, Síria, Egito, Japão, Madagascar, Congo, República do Congo, Libéria, Itália, Grécia, Portugal, Espanha, Filipinas, vários países estão em situação MUITO pior. Reclamamos por sermos caolhos, alguns gostariam de ter pelo menos um olho para enxergar.

 

Mas contudo, HÀ ESPERANÇA. Sempre existirá. Falta paciência e fé (dinheiro também, né gente?). Nunca aceitem facilmente o que lhes são empurrados goela abaixo pelo “disse que me disse”, pelo senso comum, pelos “formadores de opinião”, sejam os da grande mídia e também os anônimos fora da grande mídia, porque são todos um bando de perdidos, você se permitiria ser guiado por um cego? Os Black blocs, a Racchel e vários outros "gurus" do nosso tempo não são apenas personagens,Ela, por exemplo, também sente medo. Ela acredita em cada palavra que diz e muitos se sentem como ela, mas lembrem-se:

 

A ESPERANÇA SEMPRE VENCE O MEDO!!!!

Quantas vezes vimos notícias aterrorizantes que nos fizeram pensar: “AGORA FUDEU, desta vez o mundo não se safa, 3ª GUERRA MUNDIAL!!!!!”. Nunca se esqueçam de Deus que olha por nós e nos protege, a luta nunca acaba. Para os ateus de galocha que vão me zoar de Padre Getúlio de Mello, lembrem-se: o Ozzy é crente (da Igreja Anglicana, reza todo dia antes dos shows) e até o Diabo é filho de Deus. Portanto, ESPERANÇA SEMPRE!!! Aqui contèm mais verdades do que a Revista Veja. (fonte: desciclopedia.org)

 

Contagem, 20 de feverero de 2014

Quem sou eu? Carta aberta n.º 1

Sou um artista do povo, pensador e crítico. Trago para o foco da luz do dia discussões pertinentes que comumente são esquecidas. Venho chocar a visão de mundo do homem comum.


Para além das minhas sonoridades, trago o discurso de alguém que quer apontar ao mundo o caminho da luz e do progresso, não sem trazer doses quase cavalares de acidez e sarcasmo, coisas que só o Rock'n'Roll pode fazer por nós. A música sempre foi e sempre será um poderoso veículo de transformação.
Pode ser que eu me torne impopular, mas para isso bastar dizer o que pensa (não é, Martin Luther King Jr.?).


Não concordo com a postura musical dos últimos 10/15 anos, não necessariamente dos artistas, mas da INDÚSTRIA FONOGRÁFICA e da PRODUÇÃO CULTURAL. É óbvio que estamos saturados de ótimos artistas em todos os lugares:  a internet ajuda a dar voz àqueles que a televisão e o jabá ABAFAM.


Eu sei que vários artistas do mainstream concordam comigo e se vêem apenas como um mero bem de consumo, mas mesmo assim, acredito firmemente que cada um está em seu merecido e batalhado lugar. Já vi alguns artistas do alto escalão que inclusive são sensíveis a esta falta de oportunidades, massificação, pasteurização, vulgarização da música, mas infelizmente, estão de mãos atadas sem poder fazer muito para mudar o quadro.
 

E ao contrário do que se pensa, eu não gosto dos artistas, de qualquer nível intelectual, qualitativo, mercadológico que seja,  que não vão de encontro ao povo. O Latino e o Calypso vão a lugares que o Chico Buarque JAMAIS irá pisar, não porque ninguém queira ouvi-lo. Se a Marisa Monte, seja em carreira solo ou com os Tribalistas não quer tocar em estádios e em parques de exposição, a Anita vai. O Roberto Carlos irá animar os cruzeiros enquanto o Amado Batista irá aonde os humildes frequentam...
 

Sim, o mundo é um quebra-cabeças muito mais complexo do que um cubo mágico, e constantemente o herói de ontem é o vilão de hoje. Só não acho que precisamos crucificar os “vilões”, o que não podemos é contentar com respostas simplistas: "o brasileiro ouve sertanejo, axé, pagode e funk", “O povo gosta de porcaria”, “O que é bom é caro, e apenas a elite pode degustar”... existem vários chavões malditos. Não vamos esquecer que o melhor do samba nasceu nos cortiços. Nos subúrbios do mundo sempre existem músicas de qualidade e pessoas sensíveis. Dentro de um menino de rua, desperdiçado na miséria, pode existir um exímio cientista ou atleta.
 

Eu tento ser a diferença. Não me acovardo e, se preciso, sacrifico até a minha reputação para mostrar os meus pontos de vista que ninguém tem coragem de (expressar) enxergar. Eu sou a voz dos oprimidos. Sou a voz de um cantador da Terceira Lâmina. MAS não sou um bajulador das grandes massas: por isso que posso ferir muitos sentimentos daqueles que adoram perecer nesse estado de hipnose coletiva.

 

“O resto do ano” é uma amostra de que eu não poupo a ninguém , nem a mim mesmo. Ter uma opinião diferente da sua, não faz de mim um mau caráter, já que temos 7 bilhões de modos de pensar andando por aí.

 

Contagem, 26 de dezembro de 2013.

  • youtube
  • tbird
  • facebook

Minas Gerais - Brasil

 ©2018 - Todos os direitos reservados